Liçoes Sobre A Verdade: Afirmações

"Tu orarás a Ele, e Ele te ouvirá; e pagarás os teus votos. Determinando tu algum negócio, ser-te-á firme, e a luz brilhará nos teus caminhos". (Jó 22:27, 28).

1. A maioria das pessoas, quando se dispõe a adquirir conhecimento mais completo e elevado das coisas espirituais pela primeira vez, assim procede impelida pela falta de satisfação — ou talvez insatisfação fosse a melhor palavra — com a sua atual condição de vida. O pensamento de que em algum lugar, de algum modo, deveria ser possível lograr-se o que ele desejaria e o satisfaria, é inerente à mente humana. Este pensamento não passa de um pressentimento do que realmente ocorre.

2. Nossos desejos — costuma-se dizer — dão a exata medida de nossas capacidades. Aquele que, com todas as suas forças, aspira o cimo da montanha, guarda, nessa aspiração: — uma grande tarefa a ser preenchida; — um mandato de que não deve descuidar-se; — e a força para atingir as alturas a que alçou suas esperanças. (Autor Desconhecido)

3. A fome ou desejo ardente que sentimos nada mais é senão o estímulo do que há de divino em nós, e que, com infinito anelo, deseja a nossa plenitude. Isto não é senão um aspecto da lei da oferta e procura, cujo outro aspecto é a imutável e infalível promessa: "Por isso vos digo que tudo o que pedirdes, orando, crede que o recebereis e tê-lo-eis". (Marcos 11:25). A oferta é sempre igual à procura, mas deve antes haver uma procura, para que se possa utilizar a oferta.

4. Há um ponto a nós accessível e no qual podemos verificar a cessação de toda a nossa atividade, pois capacitamo-nos de que o Espírito é a satisfação de todos os nossos desejos. Podemos, simplesmente, nos aquietar e tomar conhecimento de que quaisquer coisas que desejamos já são nossas; e o conhecimento disso — ou a sua aceitação — tem o poder de tornar o Deus invisível (ou o bem) — a substância mais íntima de todas as coisas — exatamente numa forma visível do bem de que carecemos.

5. Mas, a fim de atingir essa situação de poder, devemos encetar os passos preliminares com toda a fidelidade, dedicação e confiança, embora tais passos possam parecer-nos, à primeira vista, inúteis e tão vazios quanto as formas cerimoniais e as observâncias religiosas da igreja ritualística.

6. Afirmar algo é asseverar, positivamente, que isso assim é, mesmo em face de qualquer evidência em contrário. Podemos não ser capazes de ver como, pela simples afirmação da verdade de uma coisa — que a todo raciocínio ou senso humano não parecerá absolutamente verdadeiro — conseguir que ela se torne realidade; todavia, podemos impor a cessação de todos os nossos fúteis sofismas, lançando-nos ao trabalho, para que cada um prove a regra em sua própria vida.

7. A bela Presença que está em todas as partes, à nossa volta e dentro de nós, é a substância de todo o bem que nos é possível desejar — e, sem dúvida, infinitamente mais do que somos capazes de desejar, pois foi escrito: "Mas, como está escrito: As coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, e não subiram ao coração do homem, são as que Deus preparou para os que O amam". (Coríntios I 2:9).

8. De algum modo, apesar de ser difícil de explicar por palavras — pois as leis espirituais nem sempre podem ser expressas por palavras, contudo nem por isso deixam de ser leis infalíveis e imutáveis que operam com precisão e certeza —há poder em nossa palavra de fé para trazer todas as boas coisas diretamente à nossa vida de cada dia.

9. Pronunciamos a palavra, afirmando-a com confiança, mas nada podemos fazer para o "estabelecimento" da palavra ou para que ela se cumpra. "Determinando tu algum negócio, ser-te-á firme". (Jó 22:28). Assim, se decidirmos ou afirmarmos com constância e firmeza, levaremos Deus, por força de suas próprias leis inalteráveis, a concretizar ou cumprir aquilo que tivermos afirmado ou decidido.

10. Aqueles que cuidadosamente estudam as leis espirituais verificam que, além de negarem realidade e poder ao mal aparente — negação que os livra dele —, podem também trazer qualquer almejado bem às suas vidas, mediante a afirmação pertinaz de que tal bem já existe. Nas primeiras instruções dadas aos estudantes, as negações e afirmações ocupam considerável lugar. Mais tarde, porém, eles são levados pelas suas próprias experiências pessoais e orientação interior a uma compreensão da lei divina, que lhes torna fácil seguirem as regras simples que, a princípio, pareceram ser difíceis.

11. A repetição seguida de qualquer negação ou afirmação constitui um treinamento necessário para a mente que, durante tão longo tempo, viveu no erro e nas falsas crenças. Ela precisa desta constante repetição da Verdade, a fim de despojar-se do que é velho e revestir-se do que é novo.

12. O que acontece com as negações, ocorre também com as afirmações. Há quatro ou cinco amplíssimas afirmações de Verdade, que compreendem uma imensidão de verdades menores, e que fazem um trabalho maravilhoso, trazendo o bem para nós ou para os outros.

13. Primeira: Deus é vida, amor, inteligência, substância, onipotência, onisciência e onipresença.

14. Você aprendeu essas ideias, na segunda lição — "Declaração de Ser". Ao repetir a afirmação, lembre-se de que cada partícula de vida, amor, inteligência, poder ou de substância real existente no universo é, simplesmente, um certo grau ou, por assim dizer, uma parcela de Deus tornada manifesta ou visível através de uma forma. Procure pensar no significado que encerra a sua afirmação de que Deus é onipresente, onipotente e onisciente.

15. Deus é onipresença (está presente em toda a parte) e Deus é o bem. Então, por que temer o mal? Ele é onipotência (todo poderoso). Então qual outro poder poderá prevalecer?

16. Desde que Deus é onipotência e onipresença, ponha de lado, para sempre, os seus ensinamentos, relativamente a um poder adverso, o mal (Diabo), que pode, a qualquer momento, obstar os planos de Deus e trazer-lhe o mal.

17. Não se perturbe com a aparência do mal em seu derredor; mas, na própria presença do que possa parecer mal, mantenha-se verdadeiro e inflexível na afirmação de que Deus, o bem, é onipresente. Assim procedendo, você verá o mal aparente desaparecer como a escuridão diante da luz, ou como o orvalho diante do sol da manhã, e o bem virá a ocupar o seu lugar.

18. Segunda: Sou um filho ou manifestação de Deus, e a cada momento a Sua vida, amor, sabedoria e poder fluem em mim e através de mim. Sou uno com Deus e governado por Sua lei.

19. Pense, ao repetir esta afirmação, que nada — nenhuma circunstância, pessoa ou grupo de pessoas — poderá, de maneira alguma, interpor-se entre você e a Fonte de sua vida, sabedoria ou poder. Ela estará "escondida com Cristo (o Cristo ou Espírito interior de seu ser) em Deus" (Colossenses 3:3). Nada, a não ser a sua ignorância de como receber, ou a sua pertinácia, poderá impedi-lo de dispor de abastecimento ilimitado.

20. Não importa o quanto você possa parecer enfermo, fraco ou ineficiente, afaste os olhos e pensamentos das aparências, focalizando-os na fonte central e interior, e dizendo calma e serenamente, mas com inabalável firmeza: "Essa aparência de fraqueza é falsa; Deus, manifestado como vida, sabedoria e poder está agora fluindo em todo o meu ser e através de mim, para o mundo exterior". Você verá em breve uma maravilhosa mudança operar-se em você graças à capacitação que essa palavra falada lhe trará.

21. Você não modifica a atitude de Deus, quer com pedidos, quer com afirmações. Você apenas modificará sua atitude para com Ele. Afirmando, você se põe em harmonia com a lei divina, que está sempre laborando no sentido do seu bem e jamais para o seu mal ou punição.

22. Terceira: Sou Espirito, perfeito, santo, harmonioso. Nada poderá atingir-me ou tornar-me doente ou temeroso, pois o Espirito é Deus e Deus não pode estar doente, temeroso ou ser atingido. Manifesto o meu eu real, agora, mediante este corpo. 23. Quarta: Deus opera comigo tanto o querer como o fazer que deseja que eu queira ou faça, e Ele não poderá falhar.

24. A nossa afirmação de que Sua mente está operando, tanto no sentido do querer quanto do fazer, faz com que desejemos apenas o bem; e Ele, o próprio Pai em nós, faz os trabalhos, razão pela qual não poderá haver fracasso. Seja o que for que, integralmente, apelemos para que o Pai faça e afirmemos ser feito, veremos realizado. Essas, então, são as quatro afirmações que englobam todas as outras:

25. Primeira: Deus é vida, amor, inteligência, substância, onipotência, onisciência e onipresença.

26. Segunda: Sou um filho ou manifestação de Deus, e a cada momento a Sua Vida, amor, sabedoria e poder fluem em mim e através de mim. Sou uno com Deus e governado por Sua lei.

27. Terceira: Sou Espírito, perfeito, santo, harmonioso. Nada poderá atingir-me ou tornar-me doente ou temeroso, pois o Espírito é Deus, e Deus não pode estar doente, temeroso ou ser atingido. Manifesto o meu eu real, agora, mediante este corpo.

28. Quarta: Deus labora comigo tanto o querer como o fazer, que deseja que eu queira ou faça, e Ele não poderá falhar.

29. Guarde essas afirmações de memória, de modo a poder repeti-las no silêncio de sua própria mente, em qualquer lugar e a qualquer tempo. Estranhamente, elas agirão no sentido de livrá-lo das maiores angústias externas, para o que nenhum auxílio humano é válido. É como se, no momento em que você afirma enfaticamente a sua unidade com Deus, o Pai, imediatamente todo o poder do amor onipotente fosse colocado em ação, precipitando-se em sua salvação. E quando Ele se lançar em seu auxílio, você poderá desistir de todos os recursos e meios externos, proclamando ousadamente:

"Está feito; foram satisfeitos os desejos de meu coração". "Abres a tua mão, E satisfazes o desejo de todos os viventes". (Salmo 145:16)

30. Na realidade, Deus está sempre em processo de movimentação dentro de nós, a fim de que Ele mesmo (O Bem-Total) possa manifestar-se mais integralmente através de nós. A afirmação, apoiada pela fé, é o elo que liga a nossa necessidade humana consciente com o Seu poder e abastecimento.

31. Aqueles que têm reclamado seu direito de herança, mediante a calma afirmação de sua unidade com Deus, sabem o quão livres podem estar de planejamentos e de esforços, quando hajam posto em operação esse maravilhoso poder de afirmação. Esse poder tem curado o enfermo, trazido alegria em lugar de dor e, literalmente, aberto as portas das prisões, ordenando que os prisioneiros saiam livres, sem qualquer necessidade de assistência humana.

32. Compreenda-se: não é, necessariamente, a utilização desta fórmula específica de palavras que tem dado resultado em cada caso individual. É a negação do mal aparente e, a despeito de toda a evidência em contrário, a afirmação de que o bem é tudo o que existe, a afirmação da unidade com o poder onipotente de Deus para a consecução de algo, ainda quando inexistentes os sinais visíveis de Sua presença, que logram a libertação. Num caso de meu conhecimento, foi a simples afirmação "Deus é a sua proteção e libertação", para um homem que durante longos cinco anos estivera afastado de seu lar e exilado de sua pátria (por força de uma série de maquinações e decepções infligidas pela astúcia e pela intriga), que lhe abriu todas as portas e o reintegrou no seio de sua família dentro de um mês, sem qualquer esforço humano adicional de sua parte ou de seus amigos, e isso depois de cinco longos anos, durante os quais os mais extenuantes esforços de seus advogados não lograram desvendar a verdade e libertar o prisioneiro.

33. Algumas mentes são de tal forma constituídas que logram melhores resultados com o repetido uso das negações; outras, com menor emprego das negações e maior utilização das afirmações.

34. Não se podem fixar regras definitivas, no tocante ao que operará mais eficazmente em cada caso individual, no sentido de erradicar o mal aparente e trazer o bem à manifestação, mas algumas sugestões úteis podem ser fornecidas.

35. As negações têm tendência aniquiladora ou dissolvente, enquanto que as afirmações conferem força, coragem e poder. As pessoas capazes de vívidas memórias, inclinadas à rememoração prolongada de suas dores, males e dificuldades do passado ou presente, precisam negar muito, pois as negações limpam a mente e expulsam da memória todo o mal e infelicidade aparentes, de modo que aquelas dores, males e dificuldades se transformam num sonho remoto. Por outro lado, as negações são especialmente úteis para aqueles que são duros ou intolerantes, ou agressivamente pecadores; para aqueles que, como resultado de êxito, se tornaram superconfiantes, pensando que o humano é suficiente por si mesmo para todas as coisas; para os egoístas e para todos quantos não sintam escrúpulos em causar mal aos outros.

36. As afirmações devem ser utilizadas pelos tímidos e por aqueles que tem um sentimento de sua própria ineficiência; aqueles que têm medo de outras mentes; aqueles que "cedem" facilmente; aqueles que estão sujeitos à ansiedade e dúvida, e aqueles que estão em posições de responsabilidade. As pessoas que são de algum modo negativas e passivas precisam empregar mais as afirmações, enquanto que aqueles que têm autoconfiança e são implacáveis precisam mais das negações.

37. Negue a aparência do mal; afirme o bem. Negue a fraqueza; afirme a força. Negue qualquer condição indesejável e afirme o bem que deseja. Isso foi o que Jesus quis dizer quando afirmou: "Por isso vos digo que tudo o que pedirdes, orando, crede (ou proclame, e afirme) que o recebereis e tê-lo-eis" (Marcos 11:24). Este é o significado da promessa: "Todo o lugar que pisar a planta do vosso pé eu lhe dei, como eu disse a Moisés". (Josué 1:3).

38. Pratique essas negações e afirmações silenciosamente na rua, nos automóveis, em qualquer lugar, em todo lugar, e elas lhe darão uma nova e, para você, estranha dominação relativamente às coisas exteriores e sobre você mesmo. Se sobrevier um momento em que haja dúvida no tocante ao que fazer, permaneça tranquilo e afirme: "Deus, em mim, é sabedoria infinita; sei justamente o que fazer". "Porque eu vos darei boca e sabedoria, às quais não poderão resistir nem contradizer todos quantos se vos opuserem" (Lucas 21:15). Não fique perturbado ou ansioso. Deposite total confiança em seu princípio e você se sentirá surpreso com a súbita inspiração que lhe virá relativamente ao modo de proceder.

39. Dessa forma, este princípio trabalhará sempre na solução de todos os problemas da vida — e pouco se me dá a forma de seus detalhes — no sentido de nos libertar, a nós, filhos de Deus, de todas as condições indesejáveis, trazendo-nos o bem em nossas vidas, se tomarmos as regras simples e as usarmos fielmente, até que elas nos conduzam à capacitação de nossa divindade, de modo a que, conscientemente, não precisemos mais depender delas.

________________________

Copyright of Portuguese Translation © 2014 by TruthUnity.net under Creative Commons Attribution-NoDerivatives 4.0 International (CC BY-ND 4.0)

arrow-left arrow-right

Source URL: https://www.truthunity.net/brazil/liçoes-sobre-a-verdade-5